Categoria de Franquias: Franquias

5 erros mais comuns ao abrir uma franquia financeira

São inúmeras as vantagens de se abrir uma franquia, como iniciar o empreendimento utilizando uma marca reconhecida e de credibilidade no mercado, com um produto ou serviço que já foi testado e aprovado pelo público. Ao optar por uma franquia financeira, os benefícios são ainda maiores.

O mercado de crédito é comprovadamente de alto rendimento, pouco sofre com sazonalidade e não há necessidade de estoque nas franquias financeiras, já que a oferta é de serviços bancários. Contudo, quem escolhe empreender no modelo de franquias deve ter em mente que o trabalho demanda o mesmo empenho de um negócio próprio ou você dificilmente irá obter o retorno financeiro do seu investimento como planejado.

A fim de evitar esse tipo de erro, listamos os 5 erros mais comuns ao abrir uma franquia financeira. Confira!

1) Não estudar o mercado

Você não precisa de experiência prévia no mercado de crédito, mas é fundamental que busque conhecê-lo e acompanhe as suas mudanças. Esse é um mercado extremamente dinâmico e a todo o momento há novas resoluções e mudanças nas regras dos bancos e dos produtos. Por isso, é imprescindível se manter sempre bem informado.

Fale com outros franqueados, consulte especialistas do segmento e participe de eventos voltados para o seu ramo de atuação. Também não deixe de aproveitar os treinamentos oferecidos pela empresa franqueadora para capacitar você e a sua equipe de vendedores.

Estude o mercado e conheça bem as normativas que regem o correspondente bancário e o funcionamento de cada produto que você comercializa. Assim, você será capaz de oferecer as melhores soluções para as necessidades do seu cliente. Lembre-se: a busca por conhecimento é sempre enriquecedora!

2) Não se identificar com o segmento

Esse erro está relacionado ao anterior. Como dito, você não precisa ser experiente no segmento de crédito, mas deve se identificar com ele, afinal, o negócio de correspondente bancário demanda dedicação integral e diariamente.

É mito que no modelo de franquias você não precisa estar presente e se envolver no negócio. Podemos afirmar que o sucesso do empreendimento está diretamente ligado ao empenho e motivação do empreendedor. Logo, não adianta apostar em uma franquia financeira, se você não for capaz de visualizar que o seu esforço e tempo dedicados a ela são um investimento necessário.

Se você reconhece que não tem vontade e/ou disponibilidade para se dedicar a esse nicho, procure combinar os seus interesses e gostos pessoais com um que apresente uma boa demanda de público.

3) Terceirizar a gestão da franquia

Engana-se quem pensa que o trabalho já está feito apenas por utilizar uma marca famosa. Você precisa garantir que os padrões de excelência da franqueadora estejam sendo seguidos na sua franquia financeira, pois são eles que tornam a marca de confiança e do agrado do público.

Para isso, você precisa se familiarizar com o negócio e conhecê-lo de perto, reconhecendo as dificuldades e os desafios da sua operação diária. Por essa razão, não é indicado que o empreendedor terceirize a gestão da franquia financeira, se deseja o obter máximo retorno para o seu investimento.

Além disso, apenas dessa forma você será capaz de liderar adequadamente a sua equipe de vendedores, em busca de uma produtividade maior e, consequentemente, de lucros maiores. É o olho do dono que engorda o boi!

4) Não fazer um planejamento financeiro realista

Um erro gravíssimo que pode comprometer as suas finanças é não avaliar a viabilidade financeira da franquia e o plano de negócios. A franqueadora cede as estimativas de gastos e de faturamentos em curto, médio e longo prazo e é essencial estudar cada um desses custos para não lidar com surpresas desagradáveis lá na frente, como a falta de capital de giro para manter o funcionamento da loja nos primeiros meses.

Deve-se ter em mente que esses números podem variar de acordo com a cidade, o aluguel e a localização do ponto comercial, por exemplo, e as expectativas devem ser condizentes com a sua situação atual. Assim, ao investir em uma franquia financeira, garanta que você tem o capital necessário para suprir os valores referentes ao investimento inicial, que pode ser dividido em três partes: taxa de franquia, reforma e padronização da loja, e capital de giro.

5) Não controlar o fluxo de caixa

Se você quer abrir uma franquia financeira, deve ter em mente que a remuneração do correspondente bancário é realizada na forma de comissionamento pelos bancos a cada contrato aprovado. Dessa forma, há fluxo de caixa constante na sua loja. Por isso, você precisa fazer o controle financeiro e registrar cada entrada e saída de recursos, para garantir que a sua franquia se mantenha autossustentável e lucrativa, pagando as despesas de operação e garantindo o futuro do negócio.

Esses são erros muito comuns de acontecer com quem decide empreender no mercado de crédito sem conhecer as suas particularidades. Ao evitar esses equívocos, certamente a sua experiência ao abrir uma franquia financeira será muito mais bem-sucedida. Mas saiba que você não precisa estar sozinho nessa jornada.

Ter uma franqueadora ao seu lado prestando suporte diariamente e em todas as frentes do negócio, desde a assinatura do contrato, é um grande diferencial para tornar esse processo o mais agradável possível e maximizar a lucratividade da sua franquia. É isso que a Franquia Empresta faz por você. Conheça o nosso suporte para franqueados!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Franquia financeira ou marca própria? Descubra qual é a melhor opção

Uma das etapas iniciais do processo de abrir uma loja de crédito consignado é optar por uma franquia financeira ou investir em uma marca própria. Essa escolha é crucial para definir o futuro do seu empreendimento, já que, ao abrir uma franquia, você fará parte de uma empresa já consolidada no mercado e terá suporte no empreendimento. Com uma marca própria, a empresa e a marca são  suas, bem como todo o processo que envolve vendas e gestão.

Para te ajudar nessa decisão, listamos os diferenciais de ambas em cada aspecto relevante do negócio para que você possa comparar e decidir qual é a melhor opção para você! É importante que esse parecer seja baseado nas suas expectativas para o novo investimento e no seu perfil de empreendedor.

Uso de marca e know-how

- Marca própria

Quando você escolhe abrir um negócio próprio, o nome, a identidade visual, os valores, a missão e a visão da marca serão criações suas e você possui liberdade para que todos os detalhes sejam desenvolvidos conforme o seu gosto e as suas crenças. O desafio aqui é tornar a sua marca conhecida e de confiança do público, fazendo  concorrência com grandes nomes do mercado.

Dessa forma, o marketing é um fator que precisa de atenção e investimento da sua parte, já que é crucial para a divulgação e reconhecimento do seu empreendimento perante o público. Caso não tenha domínio sobre o assunto, é provável que precise contratar alguém para cuidar dessa parte.

Além disso, o plano de negócios, que é essencial para guiar a operação da sua loja e relacionar as estimativas de rentabilidade, também é inteiramente responsabilidade sua, assim como as decisões financeiras e o sistema de vendas a ser utilizado, entre outros fatores.

- Franquia financeira

Ao integrar uma rede de franquias financeiras, você adere a uma marca já reconhecida e consolidada no mercado, com um público cativo que confia nos seus serviços. Por essa razão, você já inicia o empreendimento forte no mercado e com vantagem competitiva. A identidade visual, assim como todos os conceitos para criação, organização e desenvolvimento da gestão e da saúde financeira da loja são passadas a você.

Os investimentos em marketing são reduzidos no modelo de franquia, pois as empresas realizam as próprias campanhas a nível nacional e muitas ainda te apoiam nas suas campanhas regionais com material gráfico e estratégias personalizadas.

O plano de negócios é feito a quatro mãos: você e a franqueadora criarão esse planejamento juntos, utilizando o conhecimento e o histórico da franqueadora. A vantagem é poder contar com a expertise da empresa sobre o empreendimento e o mercado para definir as melhores estratégias de forma adaptada para a sua localização.

Mix de produtos

- Marca própria

Com a marca própria, você tem autonomia para criar a sua oferta de serviços e escolher quais bancos deseja representar, mas a associação às instituições financeiras deverá ser realizada por você, que deve passar pelo processo seletivo para correspondente bancário de cada uma. Dessa forma, você estará sujeito à aprovação dos bancos para que possa vender os produtos deles na sua loja.

Outro porém é que a aprovação dos seus produtos no mercado dependerá das estratégias que você desenvolver acerca do negócio, não havendo garantias de que surgirá demanda para a sua oferta. Por isso, será necessário testá-la. A sua expertise será adquirida conforme a sua experiência, o que torna o seu negócio mais vulnerável aos riscos do mercado.

- Franquia financeira

Em uma franquia financeira, o mix de produtos é amplo e já foi testado no mercado, não havendo necessidade que você corra os riscos relativos à aprovação perante o público. Ainda, não é preciso associar-se aos bancos, uma vez que esse processo foi realizado diretamente entre a empresa franqueadora e as instituições.

Suporte

- Marca própria

Não há qualquer tipo de suporte quando você decide abrir a sua própria loja de crédito consignado do zero, afinal, você não estará associado a nenhuma outra empresa. Sendo assim, não há suporte operacional, comercial ou estratégico e, caso se faça necessário, você deverá contratar um especialista para te auxiliar.

É importante ressaltar que os promotores de crédito da sua loja precisam ser treinados para conhecer bem os produtos comercializados e as regras de cada convênio e banco, além de estarem a par de todas as leis que implicam no seu negócio. Esse treinamento deve ser providenciado por você, podendo ser terceirizado ou não.

- Franquia financeira

O franqueado recebe apoio em todas as frentes do negócio, tanto antes da inauguração da loja, como no dia a dia. A empresa entende que o empreendimento é uma experiência nova para você e te auxilia para que tudo ocorra conforme planejado, garantindo a lucratividade da sua loja baseada nas melhores decisões para o seu negócio. Em algumas empresas, como na Empresta, esse suporte pode ir além, como você pode conferir aqui.

Na rede de franquias, os treinamentos de vendas, atendimento, produtos, regras dos bancos e gestão também não precisam ser uma preocupação: a empresa franqueadora os dispõe para você e para todo time de vendas de forma presencial e/ou online.

Investimento e retorno financeiro

- Marca própria

A essa altura, você deve estar se perguntando se o retorno do seu investimento compensa todos os desafios de iniciar esse empreendimento de zero. No entanto, não há como garantir que ele será positivo ou negativo. Em ambos os casos, o seu empenho e dedicação farão a diferença, mas, sem dúvidas, há um grande risco ao adentrar nesse mercado sem qualquer conhecimento sobre o segmento e sem ter a sua marca reconhecida. É necessário paciência e resiliência para empreender sozinho, mas o resultado pode ser compensador.

Também é importante considerar que, nesse caso, as previsões de custos são mais instáveis que em uma franquia, já que podem surgir gastos que você não estava contando ou que não possuía conhecimento da necessidade, o que pode resultar em valores gastos acima do esperado.

- Franquia financeira

Investir em uma franquia financeira definitivamente aumenta as possibilidades de alta lucratividade e de retorno do investimento em um prazo menor, graças à redução dos riscos de mercado, fruto do trabalho prévio realizado pelo franqueador em anos de experiência. O know-how repassado ao franqueado e o suporte oferecido também potencializam essa previsão.

Estando vinculado a uma rede de franquias, é mais fácil vislumbrar os lucros do seu investimento, já que há uma estimativa baseada no histórico das demais unidades franqueadas e no modelo de negócio de cada franquia. Além disso, todos os valores referentes ao investimento inicial são previamente mapeados, evitando sustos ou despesas inesperadas.

De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o prazo médio de retorno para investimento em franquias no Brasil é de 2 a 3 anos. No caso da Franquia Empresta, essa previsão diminui para uma média de 18 meses.

Sendo assim, fica evidente que investir em uma franquia financeira é um negócio altamente promissor, com potencial de lucro elevado e modelo de negócio sustentável. Portanto, se você ficou interessado em abrir uma franquia financeira, confira o nosso passo a passo para te guiar nesta nova empreitada rumo ao sucesso!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Quanto custa abrir uma franquia de empréstimo?

O investimento nas franquias de empréstimo disponíveis no mercado varia de acordo com os benefícios propostos por cada uma aos seus franqueados e cada valor do investimento inicial é referente a uma finalidade específica.

Esse capital envolve a quantia que você precisa ter disponível no momento da assinatura do contrato e geralmente é dividido em três partes: taxa de franquia, reforma da loja e capital de giro. A seguir, listamos todos os valores envolvidos na aquisição de uma dessas franquias. Descubra agora o quanto custa abrir uma franquia de empréstimo!

Investimento inicial

1. Taxa de Franquia

A primeira parte do investimento é a taxa de franquia, que corresponde ao uso de marca e ao know-how da franqueadora que são repassados ao franqueado. O know-how envolve toda a expertise da empresa sobre o negócio, o modo de operação e os treinamentos iniciais. O pagamento dessa taxa é a porta de entrada para se tornar parte da rede de franquias. Esse valor varia muito conforme o modelo de franquia e a estratégia de expansão da franqueadora.

2. Reforma do ponto comercial

A reforma do ponto comercial é a padronização do imóvel de acordo com o layout da marca, se adequando ao padrão arquitetônico de loja de cada empresa. Nela está incluída a compra dos equipamentos e da mobília, além de pintura e fachada.

As lojas de empréstimo costumam ter uma estrutura básica para atendimento dos clientes, não havendo necessidade de grandes imóveis ou de equipamentos exorbitantes. Alocar um imóvel que não precise de grandes reformas e obras estruturais pode ajudá-lo a economizar e manter esse valor dentro do esperado.

3. Capital de giro

Já o capital de giro é o valor que você precisa ter em caixa para manter a operação da sua loja nos primeiros meses até atingir o ponto de equilíbrio, isto é, até que ela se pague mensalmente e comece a gerar lucros. Esse custo envolve as contas de consumo, aluguel, salários e benefícios dos vendedores, entre outras despesas.

É importante ressaltar que o valor para locação do imóvel é de responsabilidade exclusivamente do franqueado. Como não há estoque em lojas de empréstimo, já que não há movimentação física de dinheiro, não há custos relacionados à manutenção de um.

Taxas periódicas

Ao calcular o quanto custa abrir uma franquia de empréstimo, é importante considerar, além do valor do investimento inicial, as taxas periódicas cobradas pela franquia e a forma de arrecadação de cada uma delas. Entre as mais comuns, podemos destacar:

1. Royalties

Os royalties podem ser considerados a manutenção do direito de uso da marca, do acesso ao know-how da empresa e do suporte recebido pelo franqueado. Esse valor pode ser fixo ou percentual sobre o faturamento da unidade, e geralmente é cobrado mensalmente, mas há franquias que adotam outros sistemas, como a cobrança bimestral. Contudo, é possível encontrar redes de franquia com isenção de royalties.

2. Taxa de propaganda

Assim como os royalties, a taxa de propaganda pode ser  arrecadada periodicamente e é uma opção de cada franquia, o que deve ser averiguado diretamente com a empresa. O intuito dela é custear as ações de marketing da rede para trabalhar a imagem da marca, atrair novos clientes e fidelizar o público, formando um fundo de propaganda.

Por isso, essa verba não é destinada à receita da franqueadora, que se responsabiliza por administrar o dinheiro e realizar os investimentos necessários. A definição do valor da taxa de propaganda também é variável em cada rede, podendo ter um custo fixo ou percentual.

Antes de assinar o contrato, procure saber sobre as ações publicitárias da marca nacionalmente e na região onde você abrirá a sua unidade para confirmar se elas são efetivas e geram resultado. 

3. Uso de sistemas 

A franqueadora também pode cobrar pela utilização do sistema, como uma licença por usuário. Isso garante que a área de TI mantenha o sistema sempre em funcionamento, atualizado e também permite que a franqueadora invista em inovações para atender melhor as franquias.  

Além de analisar cada um dos valores citados, analise também se o retorno do investimento se dá conforme prometido em cada rede para entender se o negócio vale a pena e se está de acordo com as suas expectativas.

Por essa razão, é importante perguntar sobre a existência de todas elas ao representante da sua franquia de interesse e ler com atenção à Circular de Oferta de Franquia que você receberá durante o processo seletivo.

Independentemente do capital que você tem disponível para investir, as franquias são um ótimo empreendimento para quem busca segurança na sua operação e a credibilidade de uma marca reconhecida. Mesmo se tratando de franquias financeiras, há opções para todos os bolsos. Vale pesquisar e encontrar aquela com a qual você se identifica e pode arcar com os custos de aquisição. Lembrando que o retorno do seu investimento será proporcional a ele.

Agora que você já sabe o quanto custa abrir uma franquia de empréstimo, não deixe de considerar a Franquia Empresta: a melhor e mais premiada rede de franquias financeiras do Brasil! Na Empresta não há cobranças de royalties ou de taxa fixa de propaganda. Confira agora mesmo o quanto custa abrir uma franquia da Empresta aqui!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Como se tornar um franqueado de empréstimo

É fato que o mercado de crédito não parou de crescer nos últimos anos e a tendência é que cresça cada vez mais. As lojas de empréstimos e financiamentos são um ótimo investimento,  tem pouca sazonalidade e são extremamente procuradas pelo público por oferecerem crédito de maneira facilitada e menos burocrática do que as agências bancárias.

Por isso, se você tem vontade de se tornar um franqueado de empréstimo, aqui você terá  as informações que precisa saber para dar início a esse empreendimento. Acompanhe!

Para abrir uma franquia de empréstimo, é necessário, antes de tudo, que você tenha interesse por este  segmento. Afinal, você precisa se dedicar e gostar do que faz  para ser  bem-sucedido. Apesar de identificação ser fundamental, não é obrigatório que você já tenha experiência do mercado de serviços financeiros.

De modo geral, as franquias de crédito fornecem treinamentos para que você e os seus vendedores possam aprender sobre os produtos que irão vender. Mas, para além disso, você, como dono de uma franquia de empréstimo, precisa ter proatividade e interesse em sempre buscar mais conhecimento, estando a par de todas as notícias e novidades do mercado e das leis que afetam o seu negócio.

Ainda, não tenha pressa para definir a qual empresa de crédito irá se franquear. Pesquise bastante sobre a atuação das empresas e sobre o modelo de franquia de cada uma para se certificar de estar fazendo um bom negócio. Se precisar de ajuda, montamos um passo a passo que você pode conferir aqui!

Os documentos exigidos para abrir uma franquia de empréstimo

Há uma série de documentações requeridas para que você se torne um franqueado de empréstimo. O seu contrato social – documento em que é atestada a fundação da empresa e define as diretrizes básicas do negócio – precisa seguir as exigências desse tipo de empreendimento e deve ser elaborado conforme a legislação brasileira. Esse contrato precisa ser registrado na Junta Comercial e, depois, o empreendedor deve fazer o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na Receita Federal.

Já a inscrição estadual pode ser adquirida juntamente ao CNPJ, pois a Receita Federal é conveniada à Secretaria Estadual da Fazenda, órgão que registra a inscrição. Esta se faz necessária para obter o cadastro no ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e para emitir notas fiscais, sendo obrigatória para empresas de comércio, indústria e serviços.

Há ainda a inscrição municipal, registrada na Prefeitura do município onde a sua franquia será instalada, identificando a atuação da sua empresa como financeira. Isto significa que ela irá seguir as normas estabelecidas pela portaria Nº 309 do Ministério da Fazenda, de 30 de novembro de 1959. Nela estão estabelecidos os regimentos referentes à constituição, ao funcionamento e às atribuições das instituições de crédito.

Por fim, o alvará de funcionamento, também fornecido pela Prefeitura Municipal, permite que a sua loja funcione naquele endereço, com a garantia de que aquele imóvel é seguro para receber as pessoas. Com essa documentação, você já tem permissão para iniciar as atividades da sua empresa. Todos os documentos devem ser apresentados à empresa franqueadora com o CPF do dono ou dos sócios da empresa, do(s) comprovante(s) de residência e do comprovante de endereço do estabelecimento.

Principalmente se este for o seu primeiro negócio próprio, é imprescindível buscar um contador de confiança para assessorá-lo nos trâmites de abertura da empresa. Esse profissional irá auxiliá-lo na solicitação e no registro da documentação junto aos órgãos públicos, no planejamento empresarial, na elaboração do contrato social e nas demais necessidades que competem ao cargo.

Preciso de autorização do Banco Central para operar?

Como franqueado de empréstimo, é necessário realizar o exame nacional de certificação para ser credenciado correspondente bancário junto ao Banco Central (Bacen). O certificado é exigido para todos que desejam abrir uma empresa de crédito própria, com ou sem vínculo a uma franqueadora.

Também é exigido que os promotores de crédito que trabalhem na sua franquia tenham habilitação para o cargo e mantenham a licença de trabalho sempre atualizada, o que é obrigatório para o funcionamento da loja. É importante ressaltar que não deve conter em sua denominação social ou no nome fantasia da empresa que ela é uma instituição bancária, pois ela você atuará como correspondente.

Se você está decidido a se tornar um franqueado de empréstimo, não deixe de considerar a Franquia Empresta, que já conta com mais de 90 lojas espalhadas pelo Brasil e 25 anos de história. Não é por acaso que a Franquia Empresta é a melhor e mais premiada rede de franquias financeiras do país!

Nosso modelo de franquia possui um baixo prazo de retorno para o seu investimento e alta lucratividade. Não perca tempo e confira agora mesmo como abrir uma franquia Empresta na sua cidade!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Aprenda como abrir uma franquia financeira em 7 passos

É natural que a gente se sinta meio perdido sobre os próximos passos quando decidimos investir em um novo negócio. Se você está considerando abrir uma franquia financeira, há muitos detalhes em que precisa se atentar e é importante definir cada um deles com sabedoria e cautela para que seu empreendimento seja bem-sucedido. Pensando nisso, preparamos este passo a passo para te guiar e tornar o processo de abertura da franquia mais fácil. Confira!

1) Escolha da franquia

O primeiro passo é decidir a qual franquia você irá se juntar. Se você optou pelo segmento de crédito, você precisa se identificar com ele, ainda que não possua experiência prévia no mercado de serviços financeiros. O interesse precisa existir. Há alguns pontos a se considerar na hora de fazer essa grande escolha:

- Alinhamento de perfil

Procure saber qual é o perfil buscado pela empresa franqueadora a qual pretende investir, para se certificar de que as suas expectativas e as da empresa estão alinhadas, de modo a diminuir o risco de frustrações de algum ou ambos os lados. Por isso, é necessário fazer uma escolha assertiva em relação não só às competências e habilidades desejadas, mas também ao investimento e à lucratividade.

Se necessário, questione o representante da franquia durante a reunião de apresentação. Realize também uma análise pessoal e se questione o quanto você está disposto a se dedicar ao negócio e se você está de acordo em seguir as normas e padrões requeridos pela franqueadora.

- Investimento inicial

O valor disponível para investimento é crucial nessa decisão. Mas, ao invés de simplesmente optar pela opção mais barata, considere que o retorno do seu investimento será proporcional a ele, ou seja, a franquia mais barata muito provavelmente lhe fornecerá uma rentabilidade menor comparada às demais.

Considere os riscos do investimento e o prazo de retorno previsto pela franqueadora. Considere, também, se o lucro mínimo é o suficiente para quitar as suas despesas pessoais e as da loja. É importante lembrar que, durante os primeiros meses, você precisará de  de  capital de giro , até que a sua loja se pague e comece a gerar lucros de fato.

- Reconhecimento de marca

Ter uma marca experiente e com nome consolidado no mercado pode te ajudar a vender mais e, consequentemente, a obter uma maior lucratividade. O valor da marca e o know-how oferecido pela empresa devem ser levados em conta, pois investir em uma franquia com credibilidade irá te proporcionar maiores oportunidades de fechar negócios com o seu público, que já conhece e confia na empresa. Por essa razão, pesquise sobre a fama da franqueadora no mercado.

- Avaliação de suporte

Um dos benefícios em aderir a uma franquia é o suporte oferecido pela franqueadora. Assim, procure saber como a marca se relaciona com os franqueados e qual é o suporte oferecido por ela no dia a dia. Blogs e portais oficiais sobre o mercado de franquias, como a Associação Brasileira de Franchising (ABF) e o Guia de Franquias da revista PEGN podem te auxiliar nessa descoberta. Aproveite para perguntar sobre o tema diretamente ao representante da empresa quando se reunir com ele.

- Falar com outros franqueados

Outra forma de medir esse suporte e entender melhor como é a rotina da franquia e o seu papel como franqueado é conversar com outros franqueados. Pessoalmente ou por telefone, questione tudo o que você gostaria de saber e principalmente se a empresa realmente cumpre o que promete. Aproveite para adquirir informações relevantes do dia a dia do negócio.

Você tem acesso garantido por lei ao contato dos franqueados e ex-franqueados que se desvincularam da empresa nos últimos 24 meses por meio da Circular de Oferta de Franquia, que você obtém durante o processo seletivo das franquias.

2) Definição do ponto comercial

Antes de definir a localização da sua loja, é fundamental estudar a região em que se pretende abrir a franquia com uma análise aprofundada do potencial de mercado naquele endereço. Há público para os serviços que irei oferecer nesse lugar? O nicho de negócio se encaixa no perfil e no poder aquisitivo das pessoas que transitam por ali? É importante que você consiga responder a essas perguntas de maneira afirmativa.

No caso das franquias de crédito, dê preferência aos grandes polos comerciais e aos corredores de varejo que tenham público predominantemente das classes C , D e E. Além disso, como o público-alvo dessas lojas é principalmente a categoria atendida pela modalidade consignada, isto é, servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS, e funcionários das forças armadas, optar por regiões próximas a órgãos públicos, por exemplo, pode ser uma boa pedida.

3) Criação do plano de negócios

Em qualquer negócio, é imprescindível a criação de um plano de negócios. Nele deve conter as estratégias de operação e comerciais da sua franquia, com projeções de rentabilidade em médio e longo prazo, considerando a situação de mercado onde a sua loja estará localizada. O plano de negócios servirá de guia para nortear o funcionamento da franquia.

De maneira geral, nessa etapa você poderá contar com o apoio do franqueador, que se dispõe a auxiliá-lo no desenvolvimento desse plano, de acordo com o conhecimento que possui do próprio negócio e a experiência com as demais unidades franqueadas.

4) Reforma do ponto comercial

Após escolher uma franquia e fechar o contrato, é hora de iniciar os preparativos para a inauguração da loja. A primeira medida a partir daqui é reformar o ponto comercial que você escolheu - que deve ter a aprovação da franqueadora -, de acordo com os padrões de layout da marca. É imprescindível que a loja seja de fácil reconhecimento do seu público e que se adéque aos níveis de qualidade e conforto determinados pela empresa e presentes em todas as lojas.

5) Seleção da equipe

Outro passo que merece atenção é a contratação da equipe de vendas. Nas franquias financeiras, ela é composta pelos promotores de crédito que realizarão as transações na sua loja. Há empresas que oferecem suporte nessa etapa, com uma pré-seleção dos candidatos mais adequados ao cargo. Geralmente, não há exigência de que os seus vendedores já tenham trabalhado com linhas de crédito anteriormente, uma vez que a maioria das franqueadoras oferece treinamento para que aprendam sobre cada produto, o que deve ser verificado diretamente com cada uma.

6) Investimento em marketing

Apesar de uma loja física atrair clientes que passam pelo endereço naturalmente, investir em marketing faz toda a diferença para potencializar as vendas na sua franquia. Avise a toda a região que existe uma nova loja com serviços financeiros à disposição do público. Para isso você pode investir em mídias digitais, como as redes sociais, e mídias tradicionais, como rádio e outdoors.

Algumas empresas realizam as próprias campanhas de marketing a nível nacional e podem fornecer peças publicitárias para você divulgar, mas cada uma tem a sua própria forma de pagamento por esse serviço. Verifique com a empresa escolhida se há cobrança de taxa de propaganda mensal ou qualquer tipo de divisão dos custos das campanhas com os franqueados.

7) Inauguração

Finalmente chegou a hora da inauguração! A partir desse momento, é o seu empenho e a sua dedicação que definirão os rumos do negócio. Abrir uma franquia financeira é uma ótima oportunidade, pois esse mercado não para de crescer e não sofre com sazonalidade.

Mas, se você quer aumentar as suas chances de ter um empreendimento bem-sucedido e comprovadamente de alta lucratividade, você precisa conhecer o modelo de franquias da Empresta!
Se você tem interesse em se tornar nosso franqueado, você pode conferir como abrir uma franquia da Empresta neste outro artigo.

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

5 dicas infalíveis para vender mais na sua franquia de crédito

Vender é o que mantém a sua franquia de crédito funcionando e principalmente lucrando, já que a lucratividade se dá por meio de comissões por cada contrato assinado. Por essa razão, fechar negócios rentáveis é o desafio diário que você e a sua equipe de vendas têm a enfrentar. Se a sua intenção é maximizar os rendimentos na sua loja, confira a seguir nossas dicas para vender mais na sua franquia de crédito!

1. Conheça o seu cliente

Antes de qualquer coisa, entenda o perfil do seu público para que assim você consiga identificar as dores e necessidades dos clientes e oferecer a eles as melhores soluções de forma personalizada. Para isso, é importante manter a visão analítica aguçada.

Avalie a forma como se comunicam, como preferem ser tratados, de onde são, o que fazem, o que consomem e o que levou cada um deles a procurar os seus serviços. Muitas dessas características só serão identificadas perguntando ao cliente, então é necessário manter a escuta ativa e ouvir o que o seu cliente tem a dizer, sempre mantendo a cordialidade durante a conversa.

2. Domine o seu produto

Para vender mais, você precisa conhecer o produto a fundo. Não basta conhecer apenas o básico do negócio, afinal, se o cliente te procurou em busca de determinado serviço, ele provavelmente já sabe o básico também. O especialista nesse caso deve ser você. Se mantenha atualizado e a par de todas as novidades no mercado econômico e de crédito, que são extremamente dinâmicos e merecem atenção especial às mudanças normativas do segmento e nas regras dos convênios. Saiba os diferenciais e benefícios da sua loja frente à concorrência e de todos os produtos oferecidos, indicando o ideal para cada situação.

3. Potencialize o mix de vendas 

Além de conhecer o seu produto, você precisa saber como vendê-lo, isto é, o que e quando. Analisando o seu portfólio, defina aqueles serviços mais rentáveis para você. Esses devem ser o foco do seu time de vendas e receber maior atenção durante o atendimento, a fim de fechar o negócio.

Os produtos que podem ser associados a outros também merecem atenção, já que uma venda simples pode se tornar muito lucrativa quando combinamos mais de um serviço. É importante destacar que o segredo não é ter muitos produtos no seu portfólio, mas trabalhar com aqueles que geram maior lucro e que permitam montar pacotes de soluções para os clientes. 

A cada venda, pense em como pode oferecer mais produtos ou algum outro que te traga mais receita, sem colocar o cliente em uma posição desconfortável ou que prejudique a saúde financeira dele.

4. Faça gestão venda a venda

Engana-se quem pensa que a venda termina no fechamento de contrato. Se você quer montar uma carteira sólida de clientes fiéis, você precisa ser solícito e transparente durante todo o atendimento, e construir uma relação de confiança. É necessário que você de fato queira ajudar aquele cliente e faça o possível para isso.

Lembre-se que um cliente satisfeito é um promotor da sua loja, te ajudando a atrair novos clientes, enquanto um insatisfeito possivelmente irá difamar a reputação da sua empresa. Por isso, é essencial realizar o pós-venda, garantindo que o que foi prometido seja realmente cumprido, e estando a disposição para prestar apoio e sanar quaisquer dúvidas.

5. Desenvolva um time engajado

É imprescindível que seu time esteja bem treinado e motivado para que seja um time de sucesso. Os objetivos do negócio devem estar claros para toda a equipe, assim como as metas a serem alcançadas. É preciso indicar qual caminho deve ser seguido e por quais razões.

Como líder, o seu papel é servir de exemplo de engajamento e proatividade, além de proporcionar as ferramentas para que desenvolvam expertises sobre o mercado de crédito e nutri-los com feedbacks constantes que apoiem esse desenvolvimento.

Na Franquia Empresta, nós auxiliamos os franqueados disponibilizando treinamento para toda a equipe de venda. O suporte da Empresta é uma das razões para que a empresa tenha recebido pelo segundo ano consecutivo o selo ABF de Excelência em Franchising.

Se você gostou das nossas dicas para vender mais, inscreva-se na nossa newsletter para receber outros conteúdos que irão te ajudar a aumentar a lucratividade na sua franquia de crédito!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Onde investir na crise: franquias financeiras mantêm crescimento estável em tempos difíceis

Se você pensa em começar um negócio próprio e está se perguntando onde investir durante a crise, é hora de considerar as franquias financeiras como uma alternativa promissora.

É fato que o isolamento social, uma das medidas de prevenção e contenção ao Covid-19, mudou o comportamento do consumidor. Muitos setores foram afetados por essa nova forma de consumir, que vem com uma mentalidade mais econômica e sustentável. Contudo, o dinheiro como mercadoria continua sendo extremamente procurado, embora as motivações possam ter mudado um pouco.

Em momentos de alta econômica, as pessoas buscam linhas de crédito, empréstimos e cartões de crédito para investir em reformas, viagens, carros, entre outras despesas de alto valor. Já em épocas de crise financeira, as lojas de crédito são a alternativa para milhares de pessoas que precisam pagar as contas, quitar dívidas ou simplesmente fazer compras no supermercado.  

Por que investir no mercado de franquias financeiras durante a crise econômica

A vantagem de obter uma franquia financeira em vez de operar como correspondente bancário sozinho, criando sua própria empresa do zero, é que você inicia com uma mercadológica já desenvolvida, além da boa fama da franqueadora para atrair e reter a clientela, pulando a etapa de construção de marca. Principalmente se tratando de serviços financeiros, é imprescindível demonstrar confiança para os seus consumidores, pois ninguém irá compartilhar documentos e assinar contratos com quem não transmite segurança ou não tenha credibilidade no mercado. 

Dito isso, a probabilidade de lucros, com ou sem crise, é muito maior se você optar pelo modelo de franquias. Também é preciso levar em consideração que já existe um plano de negócios bem definido e, com isso, o retorno do seu investimento acontece em menos tempo, se comparado a uma empresa totalmente nova. Você ainda pode contar com apoio operacional, comercial e estratégicna gestão da sua loja com especialistas do setor.

Outro benefício em estar ligado a uma rede de franquias é que os sistemas são integrados e os trâmites são dinamizados graças à digitalização dos processos.   As compras digitais são uma realidade cada vez mais presente no cotidiano dos clientes e essa evolução se torna inevitável mesmo para o varejo.

Nesse quesito, as franquias financeiras saem na frente, com métodos de contratação de serviços totalmente virtuais, o que não impede que a sua loja gere lucro mesmo estando fisicamente fechada. Por outro lado, o empreendedor pode aproveitar a baixa no mercado de locação de imóveis, outra consequência da crise, para montar seu ponto físico em uma boa localização com  aluguel mais em conta.

Se ainda não está claro para você como funciona uma franquia de crédito ou não está convencido das vantagens em adquirir uma, confira neste post.

Como as franquias financeiras se comportaram durante crises passadas

O mercado de serviços financeiros no Brasil cresceu muito nos últimos cinco anos, mesmo após a crise financeira de 2015. Os empréstimos consignados tiveram uma alta de 13%, fazendo com que as taxas de juros sobre empréstimos aumentassem 22,7% em janeiro de 2016, e as taxas das operações de crédito atingissem o marco de 41,3% em abril do mesmo ano.

Ainda, no balanço divulgado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), em 2017, o setor de franquias demonstrou estar em plena expansão no país, com crescimentoda receita em 8%, apesar da recessão econômica mundial. O segmento de “serviços e outros negócios” – no qual se encaixam as franquias de crédito – foi a 9,2%, representando a terceira maior variação em faturamento entre as demais categorias.

Em 2018, o franchising se mostrou a todo vapor, apontando um crescimento de 7,1% em relação ao ano anterior, o que foi creditado à melhora nos índices de confiança, à retomada da expansão e ao investimento em inovação. “Serviços e outros negócios” somaram R$24,9 bilhões em faturamento, 8,7% a mais que em 2017.

Esse crescimento se mantém estável desde 2014. Em 2019, o aumento do número de pessoas que buscaram crédito foi de 10,3%, representando a maior procura pelo serviço dos últimos nove anos.

Já em 2020, o Banco Central liberou R$1,2 trilhão em recursos para as instituições financeiras emprestarem como uma medida para minimizar os efeitos da pandemia de coronavírus na economia. Essa injeção de liquidez foi acompanhada pela queda na taxa média de juros e resultou no aumento de 2,85% do volume de crédito bancário em março, comparado ao mês anterior.

Nesse cenário, mais linhas de crédito são liberadas e o correspondente bancário se faz fundamental para essa intermediação, pois tanto a oferta quanto a procura crescem simultaneamente. Afinal, como demonstrado, a procura por dinheiro está sempre em alta.

Ficou interessado no segmento de franquias financeiras? Confira como abrir uma com o nosso passo a passo!

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Franqueador e franqueado: como funciona essa relação?

A relação entre a empresa franqueadora e o empreendedor franqueado é pautada em uma série de direitos e deveres estabelecidos no contrato de franquia, e cabe a ambas as partes segui-lo devidamente, para que essa parceria seja bem-sucedida.

Por isso, o franqueado deve estar atento durante todo o processo de adesão à franquia para que tudo esteja esclarecido e de comum acordo, de modo que o negócio seja benéfico para os dois lados. É tão importante para o franqueador quanto para o franqueado que o negócio seja bem sucedido, já que a marca também pode ser prejudicada por um possível fechamento precoce do estabelecimento.

A nova Lei de Franquias (13.966) determina, no artigo 1º, que essa relação não é uma relação de consumo, já que o franqueado não é o consumidor final, mas sim parte da cadeia de produção e comercialização de bens e serviços. A Lei também esclarece que não há vínculo empregatício entre os empregados de uma unidade franqueada e a franqueadora.

Os candidatos a franqueado já possuem um caminho traçado para que se adequem às diretrizes da empresa, que, por sua vez, oferece as ferramentas necessárias para isso. Antes de assinarem o contrato final, é obrigatório que o franqueador disponibilize a Circular de Oferta de Franquia (COF). 

Circular de Oferta de Franquia (COF)

A COF é um documento legal, regulamentado pela Lei de Franquias e emitido pela empresa franqueadora, em que esta esclarece todas as informações pertinentes ao negócio, desde custos, direitos e deveres de ambos aos produtos e serviços oferecidos, além de outras orientações relacionadas ao modelo de franquia.

Todo investidor em potencial, principalmente o de primeira viagem, deve analisá-lo com cautela e respaldo jurídico de um advogado especialista no assunto, para que seja capaz de compreendê-lo inteiramente e, assim, decidir se prosseguirá com o empreendimento, pois as normas descritas ali precisarão ser seguidas à risca.

Por essa razão, antes de assinar o contrato, é essencial estar a par de todas as suas atribuições e de todo o suporte que receberá do franqueador. Também é importante estar atento se o seu capital disponível é suficiente para cobrir todas as taxas e custos necessários, que devem estar devidamente discriminados no documento.

Apesar de não ser obrigatória, grande parte das redes de franquia inclui a cobrança de royalties no contrato, fazendo desta a principal fonte de remuneração da franqueadora. Taxas de propaganda também podem ou não serem cobradas, o que fica a critério de cada empresa.

O empreendedor ainda tem acesso às seguintes informações contidas na Circular de Oferta de Franquia:

  • Balanço contábil da empresa franqueadora nas últimas duas operações;
  • Quadro societário da empresa;
  • Breve histórico do modelo de franquias do negócio;
  • Descrição detalhada da franquia e do modelo de negócio;
  • Investimento inicial;
  • Despesas estimadas relativas à loja e taxas cobradas pela empresa ao franqueado;
  • Perfil do candidato ideal a franqueado, dentro das expectativas da empresa, incluindo os requisitos obrigatórios e os desejáveis.

Contrato de Franquia

O fechamento do contrato só pode ser assinado após 10 dias da assinatura da COF. Em caso de divergências entre o franqueador e o franqueado, há cláusulas do contrato que podem ser adaptadas antes de chegar à versão final. Contudo, algumas cláusulas são imutáveis, já que protegem a marca e a imagem dela. 

Entre as cláusulas importantes no contrato de franquia, citamos:

  • Direito de marca cedida ao franqueado;
  • Suporte e estrutura de marketing da rede franqueadora, explicitando o que o franqueado tem direito de usufruir e o que é obrigação dele no que cerne a divulgação;
  • Determinação do território de atuação da franquia e se há exclusividade nele;
  • Todas as taxas a serem pagas pelo franqueado;
  • Duração do contrato considerando as hipóteses de rescisão e de renovação do contrato, além das penalidades caso ocorra quebra de contrato.

Direitos do franqueado

Além de detalhar todas essas informações, o contrato também garante os direitos do empresário vinculado a uma rede de franquias durante essa parceria. Destacam-se:

  • Uso e exploração da marca e do modelo de negócio da franqueadora
  • Acesso ao know-how da marca;
  • Assistência na escolha do ponto comercial e acompanhamento na reforma, instalação e inauguração da loja de acordo com o projeto arquitetônico da rede;
  • Treinamento do franqueado e dos colaboradores para que os procedimentos sejam padronizados no nível de qualidade exigida pela franqueadora para os serviços prestados;
  • Suporte constante na gestão da franquia, garantindo ao franqueado o apoio em todos os setores administrativos, comerciais e operacionais que ele necessite.

Deveres do franqueado

Mas, para ter a garantia desses direitos, o novo investidor deve estar ciente dos seus deveres. São eles:

  • Obedecer aos padrões de funcionamento da franquia no atendimento e comercialização dos bens, aquisição de material com fornecedores homologados e outros;
  • Seguir o modelo de negócio que já é comprovadamente eficaz e se esforçar para captar clientes utilizando todos os recursos disponíveis e as estratégias dispostas pela franqueadora, mantendo a franquia em crescimento sustentável e lucrativo;
  • Administrar os recursos financeiros e materiais;
  • Arcar com custos e despesas para manutenção da equipe e da loja;
  • Quitar todas as taxas e, quando cobrados, os royalties à franqueadora.

Os detalhes desse acordo não param por aí. Apesar disso, eles são fundamentais para o sucesso do empreendimento. Com as expectativas alinhadas, todos saem ganhando e as possibilidades de lucro só aumentam.

Para o mercado de franquias financeiras, o retorno do seu investimento pode ser ainda mais alto. Entenda o que é franquia financeira e as vantagens de investir em uma.

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Franquia financeira: tudo o que você precisa saber para virar expert

A franquia financeira ou franquia de crédito oferta serviços bancários pouco explorados pelas instituições financeiras, como empréstimos consignado e pessoal, cartão consignado, portabilidade, consórcios, seguros, financiamento e refinanciamento.

O diferencial em relação às agências bancárias é que uma loja de crédito atua como correspondente bancário (corban), oferecendo soluções de forma facilitada e menos burocrática. Como o corban pode representar várias instituições financeiras ao mesmo tempo, as possibilidades de aprovação para o cliente são maiores, tornando a cartela de serviços mais ampla e as taxas de juros mais competitivas.

Por isso, entrar para o ramo de franquias financeiras tem se tornado um dos empreendimentos mais promissores, já que sempre há motivos para que as pessoas busquem linhas de créditos, seja para cobrirem dívidas, investirem em algum negócio ou realizarem um sonho.

Ser um correspondente bancário já atuante e fortalecido no mercado faz com que o modelo de franquia financeira se torne a opção com maior potencial de lucratividade para quem quer tocar um negócio lucrativo e autossustentável. Confira os porquês a seguir!

As vantagens de obter uma franquia financeira

1. Baixo capital de giro

Para manter uma franquia financeira, não é necessário um alto investimento em capital de giro, pois o papel da franquia é intermediar os serviços da instituição financeira para o cliente. Ou seja, quem empresta o dinheiro é o banco, e não o correspondente. Por essa razão, também não há estoque e nem movimentação de dinheiro nas lojas. O capital necessário é apenas para cobrir as despesas mensais de operação.

2. Uso de marca consolidada

Além disso, contar com o reconhecimento de uma rede de franquias de crédito já consolidada no mercado, principalmente se você não tiver muita experiência em tocar um negócio próprio, é a opção mais segura e com maior probabilidade de gerar lucros. Isso porque você pode contar com um público cativo que aprova e confia na marca, cujo modelo de negócio já foi amplamente testado.

Para a sua segurança, é essencial optar por franquias que possuam credibilidade, transparência e boa reputação, além de experiência no setor de finanças, como é o caso da Franquia Empresta, que atua desde 1995 na área de serviços financeiros e está presente em 10 estados e no Distrito Federal.

3. Modelo de negócios sustentável

Como se não bastasse, contar com o apoio do franqueador e o auxílio na gestão do negócio são vantagens de peso na hora de adquirir uma franquia financeira de sucesso. Por exemplo: na Empresta, disponibilizamos treinamentos para os franqueados e vendedores, além de acompanhamento constante durante toda a parceria, com suporte operacional, comercial, estratégico e de qualidade.  

É tão importante para a empresa franqueadora quanto para o franqueado que você obtenha êxito no negócio, já que estará utilizando o nome e a imagem da marca. Desse modo, cedemos todas as ferramentas para tornar a sua loja uma potência em vendas.

4. Mercado com alto rendimento

O mercado de crédito encontra-se em franca expansão, afinal, dinheiro é uma mercadoria que nunca fica ultrapassada. Para franquias financeiras que ofertam empréstimos consignados, modalidade voltada para servidores públicos e aposentados e pensionistas do INSS, o cenário é ainda melhor:

Segundo pesquisa do IBGE, o número de aposentados aumentou 19% nos últimos sete anos, chegando a 30,7 milhões de pessoas no Brasil em 2019, o que configura uma média de 20,5% dos rendimentos anuais da população, e esse percentual só tende a crescer.

Além disso, no empréstimo consignado há uma taxa de inadimplência muito baixa, uma vez que o valor das parcelas é descontado diretamente na folha de pagamento. Esta só ocorre quando há suspensão do salário ou benefício, em casos de falecimento ou quando há desconto de outros valores prioritários, como pensões, sem restar saldo para o pagamento do empréstimo.

Outro público atraído pelo setor de créditos é o de microempreendedores, que já são mais de 8,1 milhões no país, número que cresceu em mais de 120% nos últimos cinco anos. Consequentemente, as buscas por empréstimos e financiamentos para tirar os planos do papel também aumentaram.

Quanto custa abrir uma franquia financeira?

O investimento nas franquias de crédito disponíveis no mercado varia de acordo com os benefícios propostos por cada uma aos seus franqueados e cada valor do investimento inicial é referente a uma finalidade específica.

Esse capital envolve a quantia que você precisa ter disponível no momento da assinatura do contrato e geralmente é dividido em três partes:

  • Taxa de franquia - corresponde ao uso de marca e ao know-how da franqueadora que são repassados ao franqueado;
  • Reforma da loja - é a padronização do imóvel de acordo com o layout da marca, se adequando ao padrão arquitetônico de cada empresa. Nela está incluída a compra dos equipamentos e da mobília, além de pintura e fachada;
  • Capital de giro - é o valor que você precisa ter em caixa para manter a operação da sua loja nos primeiros meses até atingir o ponto de equilíbrio, isto é, até que ela se pague mensalmente e comece a gerar lucros. Esse custo envolve as contas de consumo, aluguel, salários e benefícios dos vendedores, entre outras despesas.

Também é possível que a franqueadora cobre taxas periódicas, como royalties, taxa de propaganda e uso de sistemas. Estas devem estar previstas em contrato, e a cobrança fica à critério de cada empresa.

Eu tenho perfil para uma franquia financeira?

Para atuar em uma franquia financeira, é interessante que o investidor tenha o mínimo de conhecimento em mercado financeiro, seja um bom administrador de empresas e possua um bom relacionamento interpessoal.

Contudo, não é necessário experiência prévia para estar apto a se tornar um franqueado. Como dito, há o treinamento e o suporte da franqueadora para que se desenvolvam essas habilidades.

Mas, para ser considerado um perfil adequado para uma franquia financeira, é preciso ter entusiasmo, força de vontade e atitude voltada para ação. Além disso, é indispensável que o franqueado esteja disposto a fazer networking para a prospecção de novos clientes e, sobretudo, que se identifique com os valores da empresa escolhida.

Também vale ressaltar que é necessário ter disponibilidade para administrar e se dedicar integralmente a sua franquia financeira. Quando trabalhamos com o que gostamos, o sucesso é garantido!

O que é necessário para abrir uma franquia financeira

Para abrir uma franquia financeira, é necessário, antes de tudo, que você tenha interesse por este  segmento. Afinal, você precisa se dedicar e gostar do que faz  para ser  bem-sucedido. Apesar de identificação ser fundamental, não é obrigatório que você já tenha experiência do mercado de serviços financeiros.

De modo geral, as franquias de crédito fornecem treinamentos para que você e os seus vendedores possam aprender sobre os produtos que irão vender. Mas, para além disso, você, como dono de uma franquia financeira, precisa ter proatividade e interesse em sempre buscar mais conhecimento, estando a par de todas as notícias e novidades do mercado e das leis que afetam o seu negócio.

Ainda, não tenha pressa para definir a qual empresa de crédito irá se franquear. Pesquise bastante sobre a atuação das empresas e sobre o modelo de franquia de cada uma para se certificar de estar fazendo um bom negócio. 

Os documentos exigidos para abrir uma franquia financeira

Há uma série de documentações requeridas para que você se torne um franqueado de empréstimo. O seu contrato social – documento em que é atestada a fundação da empresa e define as diretrizes básicas do negócio – precisa seguir as exigências desse tipo de empreendimento e deve ser elaborado conforme a legislação brasileira. Esse contrato precisa ser registrado na Junta Comercial e, depois, o empreendedor deve fazer o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na Receita Federal.

Já a inscrição estadual pode ser adquirida juntamente ao CNPJ, pois a Receita Federal é conveniada à Secretaria Estadual da Fazenda, órgão que registra a inscrição. Esta se faz necessária para obter o cadastro no ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e para emitir notas fiscais, sendo obrigatória para empresas de comércio, indústria e serviços.

Há ainda a inscrição municipal, registrada na Prefeitura do município onde a sua franquia será instalada, identificando a atuação da sua empresa como financeira. Isto significa que ela irá seguir as normas estabelecidas pela portaria Nº 309 do Ministério da Fazenda, de 30 de novembro de 1959. Nela estão estabelecidos os regimentos referentes à constituição, ao funcionamento e às atribuições das instituições de crédito.

Por fim, o alvará de funcionamento, também fornecido pela Prefeitura Municipal, permite que a sua loja funcione naquele endereço, com a garantia de que aquele imóvel é seguro para receber as pessoas. Com essa documentação, você já tem permissão para iniciar as atividades da sua empresa. Todos os documentos devem ser apresentados à empresa franqueadora com o CPF do dono ou dos sócios da empresa, do(s) comprovante(s) de residência e do comprovante de endereço do estabelecimento.

Principalmente se este for o seu primeiro negócio próprio, é imprescindível buscar um contador de confiança para assessorá-lo nos trâmites de abertura da empresa. Esse profissional irá auxiliá-lo na solicitação e no registro da documentação junto aos órgãos públicos, no planejamento empresarial, na elaboração do contrato social e nas demais necessidades que competem ao cargo.

Preciso de autorização do Banco Central para operar?

Como dono de uma franquia financeira, é necessário realizar o exame nacional de certificação para ser credenciado correspondente bancário junto ao Banco Central (Bacen). O certificado é exigido para todos que desejam abrir uma empresa de crédito própria, com ou sem vínculo a uma franqueadora.

Também é exigido que os promotores de crédito que trabalhem na sua franquia tenham habilitação para o cargo e mantenham a licença de trabalho sempre atualizada, o que é obrigatório para o funcionamento da loja. É importante ressaltar que não deve conter em sua denominação social ou no nome fantasia da empresa que ela é uma instituição bancária, pois ela você atuará como correspondente.

Como escolher a localização da minha franquia financeira?

Se o seu público-alvo está em determinado lugar, é lá que a sua loja também deve estar, principalmente quando falamos em varejo. O público das franquias financeiras são os aposentados e pensionistas do INSS, servidores públicos federais e estaduais, e militares das forças armadas.

Essa categoria é, em sua maioria, proveniente das classes C e D, que representam a maior parcela da população no Brasil. Logo, não faz sentido abrir a sua loja em um bairro residencial de classe A ou B, ainda que seja mais próximo da sua área de convivência. Nesse caso, procure locações nas seguintes regiões:

  • Principais polos comerciais da cidade;
  • Corredores de varejo;
  • Vias de mão dupla com grande movimentação de carros e pedestres.

São nesses lugares que você irá encontrar os seus clientes. Além da localização, é importante se atentar à estrutura do estabelecimento. Por sorte, a estrutura física das lojas de empréstimo não exigem espaços muito grandes e nem há necessidade de um cômodo para reserva de estoque, já que os produtos comercializados são serviços bancários.

De qualquer modo, você precisa considerar a experiência do cliente que irá entrar pela sua loja. Ao avaliar uma possível locação, pergunte-se:

  • Esse imóvel é arejado?
  • Ele tem o tamanho adequado?
  • Há um ambiente onde meus clientes podem aguardar atendimento com conforto?
  • Tem espaço o suficiente para as mesas onde a minha equipe de vendas irá trabalhar?

Todos esses aspectos devem ser levados em consideração ao escolher a localização da franquia. Também não podemos nos esquecer do banheiro e da cozinha! É importante ter um banheiro para clientes e funcionários, e a cozinha para que você e o seu time possam se alimentar durante o intervalo.

Como dito, a definição do ponto comercial influencia diretamente no sucesso da sua franquia financeira. No entanto, é importante esclarecer que a escolha de um bom ponto não vai garantir que o negócio prospere, mas definitivamente minimizará os riscos de insucesso. Se a escolha for certeira, poderá lhe render bons frutos!

Como abrir uma franquia financeira em 7 passos

É natural que a gente se sinta meio perdido sobre os próximos passos quando decidimos investir em um novo negócio. Se você está considerando abrir uma franquia financeira, há muitos detalhes em que precisa se atentar e é importante definir cada um deles com sabedoria e cautela para que seu empreendimento seja bem-sucedido. Pensando nisso, preparamos este passo a passo para te guiar e tornar o processo de abertura da franquia mais fácil. 

1) Escolha da franquia

O primeiro passo é decidir a qual franquia você irá se juntar. Se você optou pelo segmento de crédito, você precisa se identificar com ele, ainda que não possua experiência prévia no mercado de serviços financeiros. O interesse precisa existir. Há alguns pontos a se considerar na hora de fazer essa grande escolha:

– Alinhamento de perfil

Procure saber qual é o perfil buscado pela empresa franqueadora a qual pretende investir, para se certificar de que as suas expectativas e as da empresa estão alinhadas, de modo a diminuir o risco de frustrações de algum ou ambos os lados. Por isso, é necessário fazer uma escolha assertiva em relação não só às competências e habilidades desejadas, mas também ao investimento e à lucratividade.

Se necessário, questione o representante da franquia durante a reunião de apresentação. Realize também uma análise pessoal e se questione o quanto você está disposto a se dedicar ao negócio e se você está de acordo em seguir as normas e padrões requeridos pela franqueadora.

– Investimento inicial

O valor disponível para investimento é crucial nessa decisão. Mas, ao invés de simplesmente optar pela opção mais barata, considere que o retorno do seu investimento será proporcional a ele, ou seja, a franquia mais barata muito provavelmente lhe fornecerá uma rentabilidade menor comparada às demais.

Considere os riscos do investimento e o prazo de retorno previsto pela franqueadora. Considere, também, se o lucro mínimo é o suficiente para quitar as suas despesas pessoais e as da loja. É importante lembrar que, durante os primeiros meses, você precisará de  de  capital de giro , até que a sua loja se pague e comece a gerar lucros de fato.

– Reconhecimento de marca

Ter uma marca experiente e com nome consolidado no mercado pode te ajudar a vender mais e, consequentemente, a obter uma maior lucratividade. O valor da marca e o know-how oferecido pela empresa devem ser levados em conta, pois investir em uma franquia com credibilidade irá te proporcionar maiores oportunidades de fechar negócios com o seu público, que já conhece e confia na empresa. Por essa razão, pesquise sobre a fama da franqueadora no mercado.

– Avaliação de suporte

Um dos benefícios em aderir a uma franquia é o suporte oferecido pela franqueadora. Assim, procure saber como a marca se relaciona com os franqueados e qual é o suporte oferecido por ela no dia a dia. Blogs e portais oficiais sobre o mercado de franquias, como a Associação Brasileira de Franchising (ABF) e o Guia de Franquias da revista PEGN podem te auxiliar nessa descoberta. Aproveite para perguntar sobre o tema diretamente ao representante da empresa quando se reunir com ele.

– Falar com outros franqueados

Outra forma de medir esse suporte e entender melhor como é a rotina da franquia e o seu papel como franqueado é conversar com outros franqueados. Pessoalmente ou por telefone, questione tudo o que você gostaria de saber e principalmente se a empresa realmente cumpre o que promete. Aproveite para adquirir informações relevantes do dia a dia do negócio.

Você tem acesso garantido por lei ao contato dos franqueados e ex-franqueados que se desvincularam da empresa nos últimos 24 meses por meio da Circular de Oferta de Franquia, que você obtém durante o processo seletivo das franquias.

2) Definição do ponto comercial

Antes de definir a localização da sua loja, é fundamental estudar a região em que se pretende abrir a franquia com uma análise aprofundada do potencial de mercado naquele endereço. Há público para os serviços que irei oferecer nesse lugar? O nicho de negócio se encaixa no perfil e no poder aquisitivo das pessoas que transitam por ali? É importante que você consiga responder a essas perguntas de maneira afirmativa.

3) Criação do plano de negócios

Em qualquer negócio, é imprescindível a criação de um plano de negócios. Nele deve conter as estratégias de operação e comerciais da sua franquia, com projeções de rentabilidade em médio e longo prazo, considerando a situação de mercado onde a sua loja estará localizada. O plano de negócios servirá de guia para nortear o funcionamento da franquia.

De maneira geral, nessa etapa você poderá contar com o apoio do franqueador, que se dispõe a auxiliá-lo no desenvolvimento desse plano, de acordo com o conhecimento que possui do próprio negócio e a experiência com as demais unidades franqueadas.

4) Reforma do ponto comercial

Após escolher uma franquia e fechar o contrato, é hora de iniciar os preparativos para a inauguração da loja. A primeira medida a partir daqui é reformar o ponto comercial que você escolheu – que deve ter a aprovação da franqueadora -, de acordo com os padrões de layout da marca. É imprescindível que a loja seja de fácil reconhecimento do seu público e que se adéque aos níveis de qualidade e conforto determinados pela empresa e presentes em todas as lojas.

5) Seleção da equipe

Outro passo que merece atenção é a contratação da equipe de vendas. Nas franquias financeiras, ela é composta pelos promotores de crédito que realizarão as transações na sua loja. Há empresas que oferecem suporte nessa etapa, com uma pré-seleção dos candidatos mais adequados ao cargo. Geralmente, não há exigência de que os seus vendedores já tenham trabalhado com linhas de crédito anteriormente, uma vez que a maioria das franqueadoras oferece treinamento para que aprendam sobre cada produto, o que deve ser verificado diretamente com cada uma.

6) Investimento em marketing

Apesar de uma loja física atrair clientes que passam pelo endereço naturalmente, investir em marketing faz toda a diferença para potencializar as vendas na sua franquia. Avise a toda a região que existe uma nova loja com serviços financeiros à disposição do público. Para isso você pode investir em mídias digitais, como as redes sociais, e mídias tradicionais, como rádio e outdoors.

Algumas empresas realizam as próprias campanhas de marketing a nível nacional e podem fornecer peças publicitárias para você divulgar, mas cada uma tem a sua própria forma de pagamento por esse serviço. Verifique com a empresa escolhida se há cobrança de taxa de propaganda mensal ou qualquer tipo de divisão dos custos das campanhas com os franqueados.

7) Inauguração

Finalmente chegou a hora da inauguração! A partir desse momento, é o seu empenho e a sua dedicação que definirão os rumos do negócio. Abrir uma franquia financeira é uma ótima oportunidade, pois esse mercado não para de crescer e não sofre com sazonalidade.

Mas, se você quer aumentar as suas chances de ter um empreendimento bem-sucedido e comprovadamente de alta lucratividade, você precisa conhecer o modelo de franquias da Empresta! Na Franquia Empresta, você irá obter ajuda em todos os momentos. A Empresta proporciona suporte ao franqueado desde o momento da assinatura do contrato e passamos por todo o processo de definição do ponto comercial e implantação da loja com você, até a grande inauguração! Para saber mais, conheça o diferencial de suporte ao franqueado Empresta.

Leia mais:

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe

Franquia ou negócio próprio? Descubra qual é a melhor opção

Investir em um negócio próprio é um projeto de vida que demanda muito esforço e planejamento. Porém, as dúvidas que surgem durante o período de análise para implementação desse projeto são enormes, e uma das principais é a escolha de qual seria a melhor opção para empreender: investir em um modelo de franquia ou em um negócio próprio?

Por isso, queremos dedicar este artigo para fazer um comparativo entre esses dois modelos de negócio, mostrando quais as características de cada um e quais os seus benefícios, facilitando, assim, o seu processo decisório. Acompanhe!

Quais são as vantagens e desvantagens de abrir um negócio próprio?

Comparado a um emprego tradicional, são muitas as vantagens do empreendedorismo. A principal delas é a liberdade, pois não existem cobranças externas sobre o seu desempenho, a entrega de tarefas ou de resultados esperados pela direção. Apesar de não haver a exigência de terceiros, você, como dono do negócio, é quem se responsabiliza pelo investimento realizado e pelos seus resultados. 

Maior liberdade de ação, poder de decisão e autonomia para escolher os rumos da empresa são vantagens especiais que precisam ser acompanhadas por senso de responsabilidade, compromisso com os resultados, dedicação e resiliência. Empreender em um país como o Brasil é uma tarefa para visionários, pois, além dos desafios naturais do nicho de mercado escolhido, existem outros obstáculos impostos ao empresário por uma realidade marcada pelo excesso de impostos e de burocracia. 

Dessa forma, os riscos do investimento precisam ser ponderados à luz dos retornos financeiros e da satisfação pessoal que se pode obter com o projeto. Ainda assim, de maneira geral, aqueles que decidem começar uma nova jornada como donos de um negócio costumam assegurar que essa é uma decisão que vale muito a pena, mesmo diante dos riscos atrelados a ela. Nem mesmo os desafios conseguem ofuscar o alto potencial financeiro e de autorrealização. 

Quais são as vantagens e desvantagens da franquia?

A grande vantagem das franquias diz respeito principalmente a sua “bagagem”, ou seja, ao seu reconhecimento perante o público e ao sucesso do seu modelo de atuação, que é comprovadamente eficaz. O empreendedor que abre uma franquia, já entra no mercado com o nome de uma marca reconhecida e recebe todo o know-how da empresa franqueadora. Já o empreendedor que abre uma empresa “do zero” precisará dedicar tempo e esforço até atingir o mesmo nível de resultados de uma franqueadora. 

Por isso, o modelo de franquia é uma excelente opção para investidores que nunca empreenderam, pois os riscos de mercado, como a aceitação do produto e a criação de uma base de clientes, são reduzidos graças ao trabalho prévio realizado pelo franqueador. 

Outra vantagem das franquias é o suporte oferecido aos franqueados. Essa ajuda abrange itens importantes do pré-operacional, como auxílio na escolha do melhor ponto comercial e no treinamento de colaboradores, e, também, durante o operacional, com apoio de marketing, jurídico, financeiro e sistemas. 

Como desvantagem, podemos citar a rigidez inerente às franquias. Por se tratar de uma “fórmula” de negócio já testada no mercado, a capacidade de mudanças ou adaptações é mais restrita, o que acaba limitando o campo de atuação do empreendedor em itens específicos, como layout, identidade, comunicação visual etc. 

Como escolher entre franquia ou negócio próprio?

Até aqui, podemos entender os diferenciais de abrir um negócio próprio e as vantagens do modelo de franquia. Porém, para tomar a melhor decisão sobre onde investir, é preciso levar em conta todos os pontos abordados ao longo deste artigo. Como vimos, ao optar por um negócio próprio, o empreendedor deverá desenvolver cada um dos aspectos da empresa, desde o desenho do processo produtivo até a escolha das melhores estratégias de marketing.

Dessa forma, um modelo de franquia é ótima opção para aqueles que desejam soluções já pré-estruturadas, testadas e validadas no mercado, em detrimento da maior liberdade de ação de um negócio que parte do zero. É importante destacar ainda que muitos empreendedores recorrem ao empréstimo para abrir o próprio negócio e alavancar o capital inicial, aumentando o nível de risco ao adicionar compromissos com terceiros.

Por isso, essa precisa ser uma decisão responsável e bem ponderada para evitar dívidas e outras restrições no futuro. Caso opte pelo modelo de franquia, procure por soluções que ofereçam um bom suporte e que também possuam uma reputação favorável no mercado. A Franquia Empresta, por exemplo, possui uma proposta consolidada no setor de franquias financeiras com muitas vantagens aos franqueados, como isenção de royalties e suporte dedicado. Vale a pena conferir!

Então, já se sente apto para escolher entre o modelo de franquia ou negócio próprio? Gostaria de mais informações sobre as opções de franquias? Continue expandindo o seu conhecimento sobre o tema lendo também este outro artigo do blog.

Conseguimos responder sua dúvida?

Compartilhe