Descubra o que é a margem consignável e aprenda a calculá-la

Descubra o que é a margem consignável e aprenda a calculá-la

A margem consignável foi criada para dar mais segurança para aqueles que buscam crédito.  Afinal, além de garantir que você tenha condições de efetuar o pagamento das parcelas, também evita que grande parte da sua renda seja comprometida.

Ou seja, a margem consignável funciona como uma medida para evitar o superendividamento e problemas financeiros futuros.

Esse conceito parece importante, não é? Mas você sabe, de fato, como funciona a margem consignável e como calculá-la? Se tiver dúvidas sobre o assunto, continue lendo o texto e descubra tudo que você precisa saber.  

O que é margem consignável?  

A margem consignável se trata de um percentual da renda mensal que aposentados e pensionistas do INSS, bem como servidores públicos e trabalhadores de algumas empresas privadas têm como limite na hora de contratar crédito consignado.  

Nesse contexto, é importante saber também que a margem consignável não é um valor e sim uma porcentagem dos rendimentos mensais. Portanto, quanto maior for o salário ou benefício, maior a margem consignável e, consequentemente, a possibilidade de conseguir mais crédito. 

Valor da margem consignável 

Na prática, o valor total é de 35% do salário/benefício, que por sua vez é dividido da seguinte maneira:  

  • 30% para empréstimos consignados, podendo ser ter até 9 simultâneos desde que a soma das parcelas não ultrapasse o percentual.  
  • 5% para cartão consignado, que incluem a fatura e os saques em dinheiro.  

Como calcular a margem consignável?  

Para calcular a margem consignável você deve multiplicar o seu salário ou benefício por 0,30 (que é equivalente a 30%) e terá o valor liberado para o pagamento das parcelas do empréstimo.  

Por exemplo, digamos que você recebe R$1000 de salário. Então, você deve multiplicar 1.000 por 0,30. Como resultado, você teria o valor de R$300, que representaria sua margem consignável.  

Agora, se fizer o mesmo, só que multiplicando sua renda por 0,05 terá o valor para o pagamento das parcelas do cartão de crédito consignado.  

Por exemplo, usando como base o valor do exemplo anterior, ao multiplicar 1.000 por 0,05, você terá como resultado o valor de R$50, que representa sua margem consignável para uso exclusivo com o cartão de crédito consignado. 

Lembrando que, tanto para empréstimos, quanto para o cartão de crédito consignado, a margem consignável é diferente do limite de crédito que se pode pegar. Inclusive, no caso do cartão consignado, o limite de crédito pode chegar a até 27 vezes o valor dela.  

Além disso, é importante ressaltar que os cálculos realizados nos exemplos acima mostram apenas o valor da margem consignável total. Para saber quanto de margem você tem disponível, é preciso que leve em consideração alguns fatores, como a quantidade de empréstimos que já fez até o momento. 

Onde consultar o valor da margem consignável?  

Caso você não queira fazer os cálculos ou já tenha algum empréstimo que comprometa parte da sua margem, existe a possibilidade de consultar o saldo. As maneiras mais simples são:  

  • Utilizando o extrato de empréstimos consignados INSS, também conhecido como HisCon, que pode ser emitido online pelo Meu INSS de forma gratuita;  
  • Por meio do Contracheque. Caso você seja servidor público é possível acessá-lo por meio do SIGEPE, já os funcionários de empresas privadas podem solicitá-lo no despertamento de RH da empresa.  

Como obter mais crédito caso sua margem consignável esteja negativa  

Um ponto que também deve ser compreendido é que, em alguns casos, você pode ter uma margem zero ou negativa. 

A margem consignável zero é uma situação que ocorre quando a mesma se encontra totalmente comprometida. Mas se, além disso, ingressarem descontos obrigatórios que não estavam previstos, essa margem zero  se converte em uma margem negativa. Nesses casos, não é possível realizar um novo empréstimo.

Caso isso aconteça e você precise de mais crédito por conta de um imprevisto, existem algumas alternativas que podem te ajudar a contornar esse problema. As duas principais são o refinanciamento e a portabilidade de crédito.

Refinanciamento  

Essa opção está disponível para usuários que já pagaram parte da dívida, entre 15% e 30%. Refinanciando o contrato, o empréstimo antigo é quitado e abre-se um novo, onde prazo e parcelas podem variar e o cliente recebe um “troco”, em dinheiro, referente ao valor que ele já tinha pago do crédito anterior.  

Veja nesse post que fizemos mais detalhes sobre como funciona o refinanciamento de empréstimo consignado

Portabilidade  

A portabilidade, por outro lado, trata-se de ter a dívida do empréstimo “comprada” por outro banco. Assim, o novo banco paga a sua dívida e abre um novo empréstimo com parcelas menores.  


E aí, gostou de saber mais sobre o tema? Já usou algum tipo de crédito consignado ou está pretendendo usar? Conheça nossos serviços de crédito consignado e escolha o ideal para você! 

Posts Relacionados